Vila A Mais

Presente no 1º Fórum de Hidrogênio Renovável do Paraná, o PTI-BR buscou colaborar com o direcionamento de políticas públicas voltadas para o setor no Estado

Parque Tecnológico Itaipu – Brasil contribui com o desenvolvimento da cadeia de hidrogênio renovável no Paraná

Com expertise de mais de 12 anos no desenvolvimento de pesquisas e produção de hidrogênio renovável, o Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR), localizado em Foz do Iguaçu, esteve presente no 1º Fórum de Hidrogênio Renovável do Paraná. O evento reuniu, nesta última quarta-feira (03), no Museu Oscar Niemeyer em Curitiba, formuladores de políticas públicas, indústria, academia, especialistas e interessados na temática.

O direcionamento para estimular oferta e demanda de hidrogênio renovável e de baixo carbono no estado foi a pauta central dos painéis que ocorreram durante o fórum, promovido pelo Governo do Estado e organizado pela Secretaria do Planejamento, PTI-BR, Invest Paraná, Copel e Sanepar. A iniciativa teve como objetivo, discutir e elaborar estratégias para o desenvolvimento da produção, armazenamento e aplicação do hidrogênio renovável no Paraná.

Na cerimônia de abertura do evento, o diretor superintendente do PTI-BR, Professor Irineu Colombo, destacou a atuação da instituição em seus 12 anos de pesquisa e desenvolvimento na área. “Participamos do fórum com o propósito de apresentar as possibilidades de tecnologias que temos e para falar da importância de se pensar no uso do hidrogênio, de um arranjo econômico-financeiro e de uma modelagem de negócio que envolve também o consumo. Essas três etapas o Parque Tecnológico tem condições de fornecer, além de recursos humanos e capacitação profissional, contribuindo com o estímulo a inovação, tecnologia e desenvolvimento econômico sustentável”, revelou.

Ainda, durante a programação do fórum, que teve como tema “Acelerando a economia do hidrogênio no Paraná: transição energética e neutralidade de CO2”, o PTI-BR esteve presente em dois painéis contribuindo com a implementação de iniciativas que vão compor a cadeia de hidrogênio no Paraná. O diretor de negócios e inovação, Eduardo de Miranda, participou do painel que discutiu as “Estratégias para produção de hidrogênio renovável e de baixo carbono no Paraná”.

A mesa, que tratou sobre as oportunidades, bem como, a viabilidade técnica, econômica e ambiental das possíveis rotas de produção de hidrogênio renovável no Estado, contou também com a presença do CEO da Sanepar, Claudio Stabile; diretor presidente do CIBiogás Rafael Gonzalez, do presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero e moderação do presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig.

Parque Tecnológico Itaipu – Brasil contribui com o desenvolvimento da cadeia de hidrogênio renovável no Paraná

Conexão com a sociedade

O diretor de negócios e inovação, Eduardo de Miranda, destacou a importância da participação do PTI-BR no fórum e a contribuição com a sociedade por meio das pesquisas e tecnologias que a instituição promove. “O PTI é um dos percursores de hidrogênio verde com a sua planta experimental e hoje foi possível demonstrar para o Estado e levar ao conhecimento das pessoas tudo aquilo que a gente já realiza de estudos. Conseguimos nos conectar e levar a inovação para a sociedade por meio de debates, criação de rotas e entendimento do que os outros players do mercado estão desenvolvendo na área”, disse.

O PTI-BR também colaborou com as discussões do painel que tratou sobre a “Inovação e pesquisa para o uso do hidrogênio renovável no Paraná”. O pesquisador do Centro de Gestão Energética, Daniel Cantane, levou a expertise do Parque Tecnológico ao debate, que trouxe as possibilidades de inovação e pesquisa para o desenvolvimento do uso do hidrogênio renovável, incluindo projetos de pesquisa em andamento e possíveis áreas de investimento.

“O PTI participou de dois painéis, um relacionado as rotas de hidrogênio e outro vinculado a pesquisa e inovação em hidrogênio renovável. Nesse sentido, o Parque teve a oportunidade de apresentar os seus projetos que estão em desenvolvimento, bem como, as tendências tecnológicas no tema”, afirmou o pesquisador, Daniel Cantane.

A mesa do painel também foi composta pela gerente de estruturação de projetos do CIBIogas, Aline Scarpetta; pesquisador chefe do Instituto SENAI/PR de Inovação em Eletroquímica, Marcos Berton; gerente de pesquisa da Associação Brasileira de Hidrogênio, Helton José Alves, com moderação de Rodrigo Régis e Paulo Schimidt.

A Itaipu Binacional também marcou participação no fórum. O superintendente de Energias Renováveis da Itaipu Binacional, Guilherme Amintas integrou o painel “Demanda de longo prazo para o hidrogênio renovável no Paraná”, que abordou temas como políticas públicas, incentivos fiscais e estratégias para aumentar a conscientização sobre os benefícios do hidrogênio renovável.

Parque Tecnológico Itaipu – Brasil contribui com o desenvolvimento da cadeia de hidrogênio renovável no Paraná

Referência em hidrogênio verde

O PTI-BR possui experiência técnica para apoiar nacionalmente as pesquisas e projetos nas áreas de descarbonização e sustentabilidade. A expertise adquirida ao longo dos últimos anos, qualificou o PTI-BR a elaborar projetos que envolvem a criação de soluções inovadoras e sustentáveis para a integração de fontes renováveis na matriz energética brasileira desde a produção até a aplicação do hidrogênio.

A partir de 2011, o Parque Tecnológico também passou a contar com a construção da Planta Experimental para a produção de Hidrogênio Verde por meio da eletrólise da água, em parceria com a Itaipu Binacional e a Eletrobras. A planta contempla toda uma infraestrutura de equipamentos para a produção, armazenamento e aplicação do hidrogênio verde – que possui essa denominação uma vez que a emissão global de CO2 no processo de geração é nula.

Se consolidando como uma referência no tema de hidrogênio sustentável, a instituição segue prospectando oportunidades para este mercado a partir de suas plataformas tecnológicas e de capital intelectual.

Parque Tecnológico Itaipu – Brasil contribui com o desenvolvimento da cadeia de hidrogênio renovável no Paraná

Pacote de Medidas

Durante o evento também houve o anúncio, por parte do Governo do Estado, de um pacote de medidas, entre elas a criação do Programa de Energia Verde no Estado; a desoneração tributária da cadeia produtiva do insumo; linhas de crédito que somam R$ 500 milhões para fomentar investimentos no setor; assinatura da resolução que cria o Descomplica H2R, que estabelece critérios para licenciamento ambiental do combustível; e o sancionamento do projeto de lei que cria a Política Estadual do Hidrogênio Renovável.

“Somos líderes na produção de energia renovável no País e agora queremos sair na frente na discussão sobre hidrogênio verde, criando um ambiente favorável para atrair investimentos dessa cadeia para o Estado”, afirmou o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior.

Com esse pacote e um trabalho que envolve diversos segmentos do Estado, o governador salientou que o Paraná busca criar um ambiente seguro e competitivo para a atração de investimentos no setor. “O Estado está organizado legalmente para que a cadeia produtiva possa ser colocada à disposição da sociedade, para atrair investidores de todo o planeta, que buscam segurança jurídica e incentivos para os investimentos”, disse.

Fonte: Assessoria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *